Caso George Floyd, uma possível psy-op?

Em virtude desta publicação ter sido censurada em algumas redes sociais deixamos aqui os dados que avançamos na altura para que possam ser consultados.

Sabemos que o coronavírus é um catalisador do caos que as elites pretendem trazer para que das cinzas surja a Nova Ordem Mundial, mas não será o único. Então o que podemos dizer do caso da suposta morte de George Floyd que tão conveniente foi para as elites? Será que realmente foi um caso de brutalidade policial desumana, ou terá sido mais um ato encenado para atirar mais gasolina para a fogueira que os EUA já se encontram?

Veja os dados e tire as suas próprias conclusões?

E se eu lhe disser que o declarado assassinato de George Floyd pelo policial Derek Chauvin em Minneapolis foi mais uma Operação Psicológica empregada ?

A versão oficial concedida às massas pela grande Mídia declara que “a polícia foi chamada à loja de conveniência Cup Foods em Minneapolis na noite de segunda-feira, depois que um caixa alegou que Floyd havia usado uma nota falsa de US $ 20. Durante a prisão, o policial Derek Chauvin foi filmado ajoelhado no pescoço de Floyd por oito minutos ininterruptos, enquanto aquele alegava não poder respirar, ficando inconsciente e depois morrendo. Na tarde de sexta-feira (29/05/20), Chauvin foi preso e levado sob custódia da polícia.”

Ocorre que absolutamente nada é insistentemente promovido pela Mídia ao acaso. Ordem através do Caos, o lema do 33º grau da Maçonaria, é uma estratégia de Engenharia Social desde sempre empregada. Será feita agora uma análise objetiva expondo fatos que depõem contra a versão oficial apresentada, elucidando a questão como mais uma Operação Psicológica (PSY-OP) praticada Sistema Ocultista.

FATO NÚMERO 1 : “Assassino” e “vítima”, Derek Chauvin e George Floyd, trabalharam na mesma boate, El Nuevo Rodeo Club no lado sul de Minneapolis, durante todo o ano de 2019.

https://newzandar.com/george-floyd-and-derek-chauvin-once-worked-overlapping-security-shifts/

Depois que esse fato veio a tona os proprietários do estabelecimento imediatamente trataram de relativizar o caso.

“mas podiam não se conhecer”, diz o proprietário.

“Maya Santamaria era dona do El Nuevo Rodeo Club no lado sul de Minneapolis até vendê-lo em 2019 e confirmou à mídia local que Floyd e Chauvin trabalhavam com segurança no estabelecimento.

Chauvin atuou como oficial de folga do clube por quase 17 anos, enquanto Floyd trabalhou lá por aproximadamente um ano em 2019, disse Santamaria à ABC5.

Santamaria disse à ABC5 que não sabe se os dois já conversaram, porque Chauvin trabalhou fora do clube enquanto seguranças, como Floyd, trabalhavam dentro, mas confirmou que os dois homens trabalharam no estabelecimento durante todo o ano de 2019 .

Se os dois homens se cruzaram durante o tempo que passaram na boate, “provavelmente não teria sido algo de que se lembrassem” (?!?), disse Santamaria ao The Star Tribune, em parte porque havia muitas dezenas de pessoas trabalhando com segurança nas noites de música popular.

Andrea Jenkins, vice-presidente do conselho da cidade de Minneapolis, disse à MSNBC que os dois homens trabalhavam juntos no restaurante há 17 anos e que Chauvin conhecia Floyd – mas a conta de Santamaria contradiz a declaração de Jenkins, e Floyd teria se mudado para Minneapolis por volta de 2014 , segundo amigos de Floyd.

O El Nuevo Rodeo Club, onde Chauvin e Floyd trabalhavam, fica na mesma rua da Terceira Delegacia de Minneapolis e da loja Target, alvo de manifestantes nos últimos dias. Depois que ela vendeu o clube, Santamaria ainda dirigia o La Raza 95.7 FM, uma estação de rádio em espanhol, do mesmo prédio em que o clube está localizado. O prédio foi incendiado , disse o La Raza 95.7 FM aos seguidores na sexta-feira.”

FATO NÚMERO 2 : Policial a paisana identificado como Agente provocador do caos em Minneapolis.

“Um agente provocador (em francês, agent provocateur, agents provocateurs no plural), é uma pessoa secretamente empregada por um determinado grupo para incentivar membros do grupo-alvo a cometer ou ser associado a atos ilícitos. O termo também pode se referir a pessoas que infiltram grupos com o objetivo de diminuir sua credibilidade incentivando membros a cometerem atos radicais, ou cometendo atos radicais em nome do grupo, a fim de justificar o uso de força armada.

Os agentes provocadores são agentes diretamente designados para provocar agitação, violência, debate, controvérsia ou descrédito através (ou dentro) de um grupo enquanto agem como membros do mesmo.

No Brasil, os casos mais célebres da acção de agentes provocadores foram:

Do major Jorge Elias Ajus, que se infiltrou na Insurreição anarquista de 1918, durante a I Guerra Mundial, cuja meta era derrubar o governo e realizar uma revolução social. Afirmando apoiar a causa como representante de uma parcela dos setores baixos do exército e incitando os demais a ação, Ajus na verdade trabalhava como espião para o governo federal delatando todos seus movimentos e levando a prisão seus principais articuladores, entre eles o filólogo libertário José Oiticica;

O caso do “Cabo Anselmo”, que agiu como agente provocador, a serviço tanto dos órgãos de segurança brasileiros, como da CIA, para provocar a “Revolta dos Marinheiros” em 1964, um dos estopins do golpe militar desencadeado na noite de 31 de março daquele ano.

Nos protestos de 2013 as redes sociais reportaram casos de policiais infiltrados (também chamados de P2) entre manifestantes, atuando como agentes provocadores.

Nos Estados Unidos, o programa COINTELPRO do Federal Bureau of Investigation possui agentes que se fazem passar por políticos radicais a fim de destruir as actividades de grupos políticos radicais estadunidenses, tais como os Panteras Negras, a Ku Klux Klan e o Student Nonviolent Coordinating Committee.”

Os distúrbios que ocorreram em Minneapolis teve um policial a paisana, iniciando o quebra-quebra na cidade, sendo indentificado por um indivíduo :

FATO NÚMERO 3 : Imagem atribuída ao “assassino” durante a sua prisão é incongruente com as imagens do vídeo.

Analise a imagem do vídeo que foi mundialmente divulgado¹ e a imagem retratando o policial acusado de assassinato quando preso, clicando nos links contidos abaixo :

¹- https://www.youtube.com/watch?v=fsDcZeB5KUE

²- https://gossiponthis.com/2020/05/29/derek-chauvin-mugshot-arrested-george-floyd-murder/

Seria de fato a mesma pessoa ?

FATO NÚMERO 4 : “Curiosamente” durante as filmagens divulgadas em determinado estágio aparece um ônibus logo atrás de Tou Thao, o policial asiático que tentava “conter” os transeuntes que filmavam o ocorrido, o ônibus estava adesivado com uma mulher fazendo o simbolismo do Olho com os dizeres “OPEN YOUR EYES” (ABRA OS SEUS OLHOS) abaixo, nesse exato momento George Floyd reclamava estar sendo “sufocado” e o indivíduo que está fazendo a filmagem propositalmente levanta a câmera para que o ônibus seja visualizado, uma mensagem subliminar “explícita”, assista ao vídeo e perceba isso (1:46) :

FATO NÚMERO 5 : Os policiais Derek Chauvin e Tou Thao possuíam distintivos absolutamente diferentes, isso é totalmente incabível já que faziam parte do mesmo distrito.

“Evento encenado?

Esses policiais estavam envolvidos em algo, não sei exatamente o que, mas algo simplesmente não está somando.

Eu acho que há pelo menos a “possibilidade” de que essa foi uma encenação de execução pública filmada de um homem negro por um policial branco, com o objetivo de criar tensões raciais.

Historicamente, nos anos eleitorais e nas áreas politicamente contestadas ou em grupos, os incidentes de violência racial ou por armas de fogo estão se tornando comuns.

Considere esses pontos e compare-os com todos os outros incidentes de brutalidade policial que você já viu :

A parte filmada do incidente durou cerca de 10 minutos. Nesse período de tempo, três policiais estão segurando um homem algemado. Você só sabe disso por causa das fotos tiradas do outro lado da rua. Você não pode ver os outros dois policiais no vídeo porque eles estão atrás do veículo. Durante 8 minutos do vídeo inteiro, o policial está de joelhos no pescoço de George Floyd, o que não é ensinado ou aprovado por nenhuma agência de aplicação da lei.

Além disso há o oficial asiático que fala ocasionalmente com a multidão de espectadores e não há comunicação de nenhum deles com o Sr. Floyd. Sem falar, sem gritar. Quando você já viu um vídeo de brutalidade policial sem que gritos sejam ecoados ?

Além disso, a polícia não tinha objetivo. Eles não estavam tentando subjugá-lo para a prisão, ele já estava algemado e tudo o que eles precisavam fazer era colocá-lo na traseira do carro. Não há explicação plausível para levá-lo ao chão e ter três homens em cima de um homem algemado, com um joelho no pescoço. O Sr. Floyd não apresentou ameaça e não resistiu. O único objetivo que parecia haver era exatamente o que aconteceu: “Ser filmado brutalmente matando um homem negro”.

Pense nisso: esses policiais não se importaram em ser filmados; na verdade, o policial olhou para a câmera com olhos sem alma e um rosto sem emoção.

Nenhum dos policiais falou entre si ou falou com o Sr. Floyd. Eles não responderam aos seus pedidos de vida. Eles apenas se sentaram e se ajoelharam até ele desmaiar e esperaram mais 4 minutos depois que o Sr. Floyd perdeu a consciência para “garantir que o Sr. Floyd estivesse morto e não pudesse ser revivido”.

Os espectadores estão se comunicando verbalmente com os policiais, que ele não está respirando. Diferente de qualquer outro incidente semelhante, você em momento algum vê os policiais entrando em contato nas rádios da polícia. Nenhuma outra unidade policial chega ao local até o desfecho e, estranhamente, a multidão também não parece crescer.

A cena não termina até que uma ambulância chegue e eles sem cerimônia o jogam em uma maca. Em nenhum momento alguém de uniforme verifica seus sinais vitais. Como se eles não estivessem remotamente curiosos sobre a situação em que estavam.

Quem chamou a ambulância e por qual motivo ? Porque se o motivo fosse o Sr. Floyd ter um problema médico, eles não estariam esmagado seu pescoço.

É mera coincidência que isso aconteça na semana seguinte ao tema “raça” se tornar uma questão política importante nos EUA depois que o presidenciável democrata Joe Biden expressou a gafe “‘ain’t black'” ?

Além disso há evidências substanciais em vídeo para prender pelo menos um policial imediatamente. Por que isso foi alegadamente feito apenas 4 dias após o ocorrido? Porque era o objetivo inflar a revolta popular e obter vantagem política com isso ?

É mera coincidência que isso aconteça exatamente no momento exato em que a campanha de medo do COVID-19 está se desfazendo pelo mundo, nisto incluso os Estados Unidos, onde protestos são vistos naquela e outras nações, como Itália, Argentina, Alemanha, Polônia e Reino Unido ?

É mera coincidência que a Supreme Race Baiter Obama tenha gravado vídeos algumas semanas atrás, conectando o COVID ao “Racismo Sistêmico”?

FINALMENTE toda a cena do ocorrido se desenrolou com a placa do carro da polícia, que contém a palavra “POLICE” perfeitamente enquadrada, para um impacto subliminar máximo ao caso.

Um suposto “malfeitor” já subjugado, a menos de um metro do porta-malas do carro da polícia, com três policiais em cima, reclamando estar sendo sufocado, ao invés de ser colocado no carro e levado para a delegacia é asfixiado, em plena luz do dia, por minutos a fio, e com testemunhas filmando tudo o que acontecia ?

Isso obviamente não faz o menor sentido.

Agradecimentos a Chris Tanner por parte considerável das reflexões presentes acima.

O mundo em que vivemos é literalmente uma grande mentira e tudo aquilo que a grande Mídia noticia é uma farsa.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s